Skip to content

Parte 2 da série: Como a mídia manipula as pessoas? Entenda as estratégias de controle das massas

Publicamos ontem aqui no Resumo a primeira de duas partes de uma matéria intitulada “Como a mídia manipula as pessoas? Entenda as estratégias de controle das massas“.

PUBLICIDADE

Nessa primeira parte, divulgamos 5 das 10 estratégias de manipulação da mídia listadas pelo prestigiado intelectual americano Noam Chomsky.

Agora nessa segunda parte divulgaremos as 5 estratégias restantes dessa lista.

6. Uso do apelo emocional muito mais do que a razão

As mensagens veiculadas pelos grupos detentores de poder não tem como objetivo provocar reflexão por parte das pessoas. O que eles buscam é provocar emoções e alcançar o inconsciente das pessoas, para implantar nelas desejos, medos, ideias, sentimentos, induzir comportamentos.

Esse uso do registro emocional tem como intuito criar uma espécie de “curto-circuito” no campo mas racional das pessoas.

7. Criar e manter um público ignorante e medíocre

Um dos propósitos de quem está no poder é manter as pessoas ignorantes e medíocres. Significa fazer com que esse público seja incapaz de entender as tecnologias e as metodologias usadas para seu controle e escravidão.

PUBLICIDADE

Ignorância também quer dizer não proporcionar à essas pessoas os instrumentos necessários para que elas sejam capazes de analisar a realidade por conta própria. Dão a ela dados anedóticos, mas não permitem que elas conheçam a estrutura interna das coisas.

Mantê-los medíocres também quer dizer não focar na educação, ocasionando uma lacuna expressiva entre a qualidade da educação dada às elites e às classes mais pobres. As classes mais pobres recebem a pior educação possível, rasa e sem qualidade.

8. Incentivar o público a ser complacente com a mediocridade

A maior parte das tendências e modas não são construídas de forma espontânea. Em quase todas as vezes elas são induzidas e promovidas a partir de um centro de poder que exerce sua influência para criar gostos, opiniões, ideias e interesses.

Incentiva-se o público a acreditar que é moda ser estúpido, inculto e vulgar. É introjetada a ideia de que quem “pensa demais”, “argumenta demais” ou “problematiza demais” é uma pessoa chata e desprovida de humor. Desse modo, as pessoas vivem de forma superficial, sem se aprofundar em nenhum assunto.

Crê-se nesse pensamento de que esse aprofundamento é algo desnecessário.

9. Reforçar a autoculpabilidade e a auto-censura

Uma outra estratégia de manipulação da massa é fazer com que as pessoas que elas e apenas elas são as culpadas pelos seus próprios problemas, seu próprio sofrimento.

Qualquer coisa ruim que se suceda a elas lhes é atribuída por causa da sua falta de inteligência, carência de capacidades, insuficiência de esforços e que se alguma coisa não dá certo para elas, é por culpa delas e não do ambiente.

Desse modo, ao invés de se revoltaram contra as atrocidades do sistema em que vivem, elas mergulham em uma espiral de auto-culpa e auto-censura e acabam se sentindo inibidos para agir.

10. Conhecer melhor os indivíduos do que eles mesmos se conhecem

Com o avanço da ciência nos últimos 50 anos, houve uma coleta gigantesca de informações a respeito da biologia e da psicologia dos seres humanos. Contudo, esses conhecimentos não estão disponíveis para fácil acesso das pessoas.

Somente uma quantidade muito pequena de informação chega às pessoas. As elites dispõe de todo esse conhecimento e usam conforme acham conveniente.

Isso faz com que o sistema tenha sido capaz de conhecer melhor  a pessoa comum do que ela conhece a si própria, o que facilita que ela seja dominada e controlada.