Skip to content

Metade da população americana ainda duvida da precisão do conteúdo das notícias nas redes sociais

set 10, 2018
fake news paginas mbl excluidas facebook

Enquanto mais de dois terços dos estadunidenses adultos declaram que, pelo menos às vezes, recebem notícias nas redes sociais, 57 % dizem estar preocupados que a informação que veem não seja correta, de acordo com novos dados divulgados nessa segunda-feira pelo The Pew Research Center.

A pesquisa da Pew descobriu que mesmo entre aqueles que dizem preferir receber notícias de sites como o Facebook e o YouTube, 42% disseram esperar que as notícias que leem nas redes sociais sejam, em sua grande maioria, imprecisas.

Os republicanos apresentavam mais tendência do que os democratas e os independentes a ficarem preocupados com a precisão das notícias que observam nas redes sociais. Entre os consumidores de mídias sociais, algo em torno de três quartos dos republicanos estavam preocupados com a imprecisão (72%), em comparação com 46% dos democratas e cerca de metade dos independentes (52%).

PUBLICIDADE

A preocupação com a credibilidade das notícias divulgadas nas redes sociais vem apesar dos esforços do Facebook e do YouTube para ampliar a confiança no conteúdo de notícias gerado em seus sites.

Em junho, o Facebook havia anunciado que estaria investindo uma quantia não informada de dinheiro para financiar programas de notícias originais de redes de notícias mais tradicionais como ABC e Fox, bem como companhias de mídia digital como a Mic. O YouTube também conversou a respeito de seu empenho para conter a disseminação das chamadas “notícias falsas”.

No mês julho, o Google efetuou um anúncio de que estaria destinando US $ 25 milhões para fornecer o apoio e suporte necessário às organizações de notícias selecionadas na elaboração de operações de vídeo sustentáveis em sua plataforma.

PUBLICIDADE

No entanto, esses esforços não foram suficientes para eliminar o mau gosto deixado nas bocas dos consumidores pelas eleições presidenciais de 2016 – uma época em que milhares de anúncios políticos e posts de uma empresa russa ligada ao Kremlin inundaram sites de mídia social como o Facebook.

A despeito das preocupações de credibilidade, os entrevistados pela Pew definiram a conveniência o motivo mais comumente citado sobre a obtenção de notícias através da mídia social: 21% disseram que a conveniência é o que mais gostaram, com respostas como “é muito acessível”. com o toque de um botão ”e “não preciso procurar por ele ”.

Além disso, 36% dos entrevistados confessaram que receber notícias das redes sociais os auxiliou a compreender melhor os eventos recentes. Por outro lado, quase a metade (48%) disse que isso não impacta muito o entendimento deles. Outros 15% disseram que as notícias nas redes sociais fizeram com que eles ficassem ainda mais confusos.

A pesquisa descobriu que a idade exerce uma grande influência no modo como as pessoas enxergam o papel das mídias sociais. As gerações mais jovens são mais vulneráveis a dizer que isso impactou sua aprendizagem para melhor. Por volta de metade dos consumidores de notícias nas redes sociais, com idades entre 18 e 29 anos (48%) falam que as notícias nas redes sociais os tornam mais informados, comparados com 37% daqueles entre 30 e 49, 28% entre 50 e 64 e 27% com 65 anos de idade ou mais.