Skip to content

Primeira-ministra britânica Theresa May adverte que pode “não haver Brexit”

A primeira-ministra britânica Theresa May,uma das principais responsáveis pelo Brexit, advertiu a todos, sobretudo os seus adversários políticos, que pertencem ao partido conservador de que caso eles impeçam ou arrumem empecilhos para a implementação de sua estratégia para a saída do Reino Unido da União Europeia, o mais provável é que não ocorra Brexit. A Câmara dos Comuns pode refutar e rejeitar as leis relacionadas ao Brexit.

PUBLICIDADE

May deu essa mensagem por meio da sua conta pessoal no Facebook. Ela posta sobre as negociações para a saída do Reino Unido da União Europeia: “Neste final de semana a minha mensagem ao país é bem simples: é preciso estarmos concentrados no resultado final. Do contrário, corremos o risco de não acontecer Brexit nenhum”.

Restam menos de 9 meses para Londres e Bruxelas convergirem em um acordo final de separação. No entanto, apesar disso, a sociedade do Reino Unido permanece dividida a respeito do Brexit e sob quais termos ele deveria ocorrer.

Theresa May, ao fazer esse alerta, quer na realidade mandar um recado para a ala mais extremista do partido conservador, que se posiciona de forma contrária ao plano esboçado por May e aprovado pelo restante do governo.

Contudo, essa tática causou a demissão dos ministros David Davis (que lidava com o Brexit) e Boris Johnson (que integrava o setor dos Negócios Estrangeiros) e só deu mais fôlego para a conjectura de que, em qualquer instante, a sua liderança fosse posta em xeque por meio de uma solicitação de uma moção de censura. Para conseguir tal intento, a linha de Boris Johnson teria que conseguir pelo menos 48 assinaturas de deputados (existem 316 conservadores no Parlamento).

O plano da primeira-ministra, que precisa ter a aprovação de Bruxelas e do parlamento britânico, é uma espécie de tentativa de conquistar um equilíbrio entre o ato do Reino Unido “dar de costas” para o restante da Europa e a continuidade, ao vislumbrar a determinação de um acordo de livre comércio de bens entre a União Europeia e o Reino Unido.

PUBLICIDADE

“Essa é a hora para sermos práticos e pragmáticos – dando apoio aos nossos planos de retirar o Reino Unido da União Europeia”, afirma May, que diz ainda “não estar aberta para discussão” a respeito de uma hipótese de uma fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte.

Theresa May conclui falando:” Sendo assim, as negociações com a União Europeia não vão ser fáceis para Bruxelas e eu igualmente não intenciono que sejam de fato. Como disse o presidente Donald Trump, sou uma negociadora bem dura. E do mesmo modo como explicitei para ele na sexta-feira, eu digo a população britânica hoje: não irei a Bruxelas para por o interesse nacional em perigo.

Nessa segunda-feira, retomaram-se as negociações entre os funcionários britânicos e os do bloco europeu. Ao longo da semana, Dominic Raab, o novo ministro do Brexit, partirá para Bruxelas para se reunir com o negociador Michel Barnier.

O recado de May pode ser encarado como uma possível e eventual demonstração de fraqueza ou de que a situação está desesperadora.