Politica

Nas Nações Unidas, os EUA estão em desacordo com as sanções da China, Rússia e Coréia do Norte

0

Reprodução/REUTERS

(Por Reuters)

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, alertou nesta quinta-feira os membros do Conselho de Segurança da ONU que devem “dar o exemplo” impondo sanções à Coréia do Norte, enquanto China e Rússia sugeriram que o conselho considere flexibilizar as medidas.

Reprodução/REUTERS

China e Rússia disseram que o conselho deve recompensar Pyongyang pelos “desenvolvimentos positivos” este ano com o presidente dos EUA, Donald Trump, e com o líder norte-coreano Kim Jong Un, que se reuniu em junho e Kim prometendo trabalhar para a desnuclearização.

Pompeo presidiu uma reunião do conselho de 15 membros nos bastidores do encontro anual da ONU, depois de se reunir com seu colega norte-coreano, Ri Yong-ho, na quarta-feira. Pompeo planeja viajar para Pyongyang no próximo mês.

Mas até Pyongyang desistir de seu programa de armas nucleares, Pompeo disse: “A aplicação das sanções do Conselho de Segurança deve continuar vigorosamente e sem falhas até que percebamos a completa e definitiva desnuclearização verificada”.

“Os membros do conselho devem dar o exemplo desse esforço”, disse Pompeo.

No início deste mês, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, acusou a Rússia de trair as sanções da ONU contra a Coréia do Norte.

O Conselho de Segurança, por unanimidade, aumentou as sanções desde 2006, numa tentativa de sufocar o financiamento dos programas nucleares e de mísseis balísticos de Pyongyang.

O principal diplomata do governo chinês, Wang Yi, observou que há disposições nas resoluções do Conselho de Segurança para o órgão modificar as sanções caso a Coréia do Norte cumpra.

Ele disse que “considerando os desenvolvimentos positivos” que a China acredita que o conselho “precisa considerar ao invocar oportunamente esta disposição para encorajar a Coréia do Norte e outras partes relevantes a mudar a desnuclearização mais adiante”, usando o nome oficial da Coréia do Norte da República Popular Democrática da Coréia ( RPDC).

No entanto, o vice-secretário de Estado dos EUA, John Sullivan, disse na quinta-feira que as resoluções do conselho sobre a Coréia do Norte não prevêem exceções.

O chanceler russo, Sergei Lavrov, apoiou seu colega chinês. Lavrov disse que “qualquer negociação é uma via de mão dupla. Os passos da RPDC para o desarmamento gradual devem ser seguidos pela flexibilização das sanções ”.

Ele também criticou várias tentativas dos EUA de endurecer as sanções da ONU contra a Coréia do Norte nos últimos meses.

Em julho, a Rússia e a China adiaram uma pressão norte-americana pelo comitê de sanções do conselho para suspender as refinadas exportações de petróleo para a Coréia do Norte, pedindo mais detalhes sobre uma acusação dos EUA de que Pyongyang violou as sanções, disseram diplomatas.

No mês passado, a Rússia e a China se opuseram à proposta dos Estados Unidos de adicionar um banco russo, um banqueiro norte-coreano baseado em Moscou e duas outras entidades a uma lista negra do Conselho de Segurança da ONU, disseram diplomatas.

“O aumento adicional das sanções vai além do corte do financiamento de mísseis e programas nucleares proibidos, e é, de fato, uma ameaça para os cidadãos norte-coreanos e traria sofrimento socioeconômico e humanitário extremo”, disse Lavrov.

Lavrov disse que o Conselho de Segurança deveria enviar um sinal claro em apoio ao ímpeto positivo na península coreana.

“Isso poderia ser feito, por exemplo, adotando uma resolução relevante e queremos preparar um esboço de tal resolução e apresentá-la ao Conselho de Segurança”, disse ele.

A ministra das Relações Exteriores da Suécia, Margot Wallstrom, falando na mesma reunião, concordou que o conselho deveria reconhecer que “recentes progressos mostraram que é possível difundir as tensões através do diálogo e da cooperação”.

Diplomatas disseram que os Estados Unidos não querem que o Conselho de Segurança faça uma declaração sobre os desdobramentos.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Politica