Skip to content

Netanyahu, em discurso da ONU, alega haver sítio nuclear secreto no Irã

(Por REUTERS) O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, descreveu nesta quinta-feira o que ele disse ser um depósito atômico secreto em Teerã e acusou a Europa de apaziguar o Irã enquanto tentava obter apoio às sanções dos EUA contra a República Islâmica.

PUBLICIDADE

Dirigindo-se à Assembléia Geral das Nações Unidas, Netanyahu mostrou uma fotografia aérea da capital iraniana marcada com uma seta vermelha e apontou para o que ele disse ser um armazém anteriormente secreto segurando material relacionado ao nuclear. Ele argumentou que isso mostrou que o Irã ainda buscava obter armas nucleares, apesar de seu acordo de 2015 com as potências mundiais para conter seu programa em troca do afrouxamento das sanções.

Netanyahu falou quatro meses e meio depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou-se do acordo, argumentando que ele fez muito pouco para conter as ambições nucleares de Teerã e desencadear a retomada das sanções econômicas dos Estados Unidos ao Irã.

Netanyahu disse que o local continha cerca de 15 quilos de material radioativo que, desde então, foi transferido para a agência atômica da ONU para inspecionar o local imediatamente com contadores Geiger.

“Estou divulgando pela primeira vez que o Irã tem outra instalação secreta em Teerã, um armazém atômico secreto para armazenar enormes quantidades de equipamentos e material do programa nuclear secreto do Irã”, disse Netanyahu.

O Irã não respondeu imediatamente às alegações de Netanyahu.

PUBLICIDADE

Ele não identificou o material nem sugeriu especificamente que o Irã tenha violado ativamente o acordo nuclear.

Um opositor declarado do acordo, Netanyahu já fez alegações sobre as atividades nucleares do Irã que são difíceis ou impossíveis de verificar, incluindo a apresentação de uma bomba cartoon à Assembléia Geral em 2012, alertando para o quanto Teerã estava perto de produzir um dispositivo nuclear.

Em abril, Netanyahu apresentou o que ele disse ser evidência de um grande arquivo secreto de documentos relacionados ao programa clandestino de armas nucleares do Irã em um local diferente em Teerã.

Ele disse que agentes israelenses removeram grandes quantidades de documentos do site. Na época, o Irã disse que os documentos eram falsos.

Em um discurso no qual ele disse relativamente pouco sobre os esforços para alcançar a paz com os palestinos, Netanyahu disse que o Irã desde então começou a remover itens do segundo local.

“Desde que invadimos o arquivo atômico, eles estão ocupados limpando o armazém atômico. No mês passado, eles removeram 15 quilos de material radioativo. Você sabe o que eles fizeram com isso? ”Ele disse. “Eles pegaram e espalharam por Teerã em um esforço para esconder a evidência.”

Ele disse que as autoridades iranianas ainda têm muito trabalho a fazer porque havia cerca de 15 contêineres cheios de equipamentos e materiais relacionados ao nuclear armazenados no segundo local.

“Este site continha até 300 toneladas – 300 toneladas – de equipamentos e materiais relacionados a armas nucleares”, disse ele.

Sob o acordo nuclear firmado pelo Irã e seis grandes potências – Grã-Bretanha, China, França, Alemanha, Rússia e Estados Unidos – Teerã concordou em limitar seu programa nuclear em troca de ajuda dos EUA e outras sanções econômicas.

A Agência Atômica Internacional (AIEA) afirmou repetidamente que Teerã estava cumprindo seus compromissos com o acordo, formalmente chamado de Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), inclusive em um documento revisado pela Reuters em 30 de agosto.

França, Grã-Bretanha, Alemanha, China e Rússia permaneceram no pacto, prometendo salvá-lo apesar da restauração das sanções dos EUA e discutindo nesta semana um mecanismo de escambo que esperam permitir que o Irã contorne as medidas dos EUA.