Politica

EUA retiram seus diplomatas do Iraque, alegando ameaças do Irã

0

Reprodução/G1

Os Estados Unidos anunciaram na sexta-feira que poderão fechar seus consulados na cidade iraquiana de Basra e realocar o pessoal diplomático designado para o Irã por uma milícia apoiada pelo Irã, incluindo foguetes.

A decisão aumenta a tensão entre os Estados Unidos e o Irã, que é o alvo das crescentes sanções econômicas dos EUA.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, explicou que os Estados Unidos responsabilizariam diretamente o Irã por quaisquer ataques contra americanos e instalações diplomáticas dos EUA.

Embaixada dos EUA no Iraque. Reprodução/G1

Pompeo disse que foi dirigido ao consulado em Basra. Autoridades norte-americanas disseram que os foguetes, no entanto, não afetaram o consulado, localizado no complexo do aeroporto de Basra.

“Pompeo disse em um comunicado:” Eu deixei claro que deve ser entendido que os Estados Unidos responderão prontamente e apropriadamente a qualquer desses ataques.

Pompeo não insistiu sobre se a resposta dos EUA era iminente, e outras autoridades dos EUA não revelaram opções de resposta em potencial.

Ainda assim, Pompeo disse que as ameaças contra o pessoal e instalações dos EUA no Iraque são “crescentes e específicas” e “que Washington está trabalhando com forças iraquianas e aliados dos EUA para enfrentá-los”.

“Esperamos que todos os países interessados ​​em paz e estabilidade no Iraque e na região reforcem nossa mensagem ao Irã sobre a inaceitabilidade de seu comportamento”, disse ele.

‘CAOS, MORTE E DESTRUIÇÃO’

Em um comunicado, o Departamento de Estado dos EUA disse que o consulado foi colocado em “partida ordenada”, o que tecnicamente envolve uma redução na equipe. Embora alguns funcionários possam permanecer no complexo diplomático, acredita-se que o movimento esteja próximo ao consulado, pelo menos.

Os dias de decisão depois que o presidente EUA Donald Trump e do presidente iraniano Hassan Rohani trocaram insultos na Assembleia Geral das Nações Unidas, com Trump prometendo mais sanções e acusando os líderes do Irã de semear “caos, morte e destruição.”

O assessor de segurança nacional de Trump, John Bolton, falando em um evento nas proximidades, em Nova York na terça-feira, advertiu que “não haverá inferno para pagar verdade” se o Irã atravessa os Estados Unidos, aliados TIC ou prejudica cidadãos dos EUA.

Em maio, Trump retirou os Estados Unidos de um acordo internacional para colocar restrições ao programa nuclear do Irã em troca de facilitar as sanções.

França, Grã-Bretanha, Alemanha, China e Rússia permaneceram no pacto. O rial perdeu 40% de seu valor em relação ao dólar americano desde abril.

O Irã culpou as sanções norte-americanas para a queda da moeda, dizendo que a quantidade Medidas para uma guerra “política, psicológica e econômica” em Teerã, e acusam os Estados Unidos e Israel de envolvimento em um ataque mortal a um desfile militar no sudoeste do Irã este mês.

Basra já foi abalada por protestos violentos vistos por especialistas como uma rejeição ao establishment político iraquiano que se manteve no poder – com o apoio dos Estados Unidos e do Irã – apesar de não ter conseguido melhorar a vida das pessoas.

Manifestantes em Basra saquearam e incendiaram prédios do governo iraquiano e o consulado iraniano foi incendiado por manifestantes que gritavam a condenação do que muitos vêem no domínio do Irã sobre os assuntos do Iraque.

Pela primeira vez em vários anos, morteiros também desembarcaram este mês dentro da zona verde fortemente fortificada de Bagdá, que abriga o Parlamento, prédios do governo e muitas embaixadas estrangeiras.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Politica