Politica

Estado Islâmico pode ter sido responsável por morte de trabalhadores da saúde, na Nigéria

0

Bandeira símbolo do Estado Islâmico.

(Por REUTERS) O Estado Islâmico na Nigéria pode ter matado os profissionais de saúde mantidos como reféns desde março dentro de 24 horas, disse o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) neste domingo, pedindo misericórdia e pedindo à intervenção do governo da Nigéria.

Os médicos Hauwa Mohammed Liman e Alice Loksha estavam trabalhando na cidade de Rann quando foram seqüestrados em março, juntamente com a parteira do CICV Saifura Hussaini Ahmed Khorsa, que foi morta em setembro, disse o CICV em um comunicado.

O grupo armado também estava segurando uma estudante de 15 anos, Leah Sharibu, que foi sequestrada em fevereiro de sua escola na cidade de Dapchi.

“Velocidade e urgência são críticas. Um prazo que pode resultar na morte de outro profissional de saúde está a menos de 24 horas de distância ”, disse o CICV em um comunicado, sem dar mais detalhes sobre o prazo ou suas condições.

Não houve relatos de que os militantes tenham feito qualquer exigência em troca da libertação de seus reféns.

“Nós pedimos a você: poupe e libere essas mulheres. Eles são parteira, enfermeira e estudante. Como todos os sequestrados, eles não fazem parte de nenhuma briga ”, afirmou Patricia Danzi, diretora das operações do CICV na África, segundo o comunicado.

“Elas são filhas e irmãs, uma é mãe – mulheres com seus futuros à frente, filhos para criar e famílias para quem voltar.”

Liman estava trabalhando como parteira em um hospital apoiado pelo CICV, enquanto Loksha era enfermeira trabalhando com a UNICEF.

O CICV, sediado em Genebra, que frequentemente trabalha nos bastidores para objetivos humanitários em zonas de guerra, identificou os seqüestradores como membros da ISWA – Estado Islâmico na África Ocidental, depois de se recusar a nomear o grupo.

A organização não disse como sabia sobre o prazo de 24 horas.

Dois porta-voz do presidente da Nigéria não responderam imediatamente a telefonemas e mensagens de texto pedindo comentários.

O Estado Islâmico na África Ocidental se separou do grupo insurgente islâmico Boko Haram em 2016 e matou centenas de soldados em ataques no nordeste da Nigéria nos últimos meses, disseram fontes de segurança e militares à Reuters.

Como a Boko Haram, a ISWA quer criar um estado separado no nordeste da Nigéria que adote uma interpretação estrita da lei islâmica.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Politica