Skip to content

Após sofrer pressão, a ministra Rosa Weber convocou uma coletiva a respeito das fake news de Bolsonaro ao lado do general Etchegoyen

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por meio da sua atual presidente, a ministra Rosa Weber, convocou para esta sexta-feira agora, dia 19 de outubro, a partir das 16 horas da tarde, no Auditório I do TSE (que fica no subsolo do local), uma coletiva de imprensa a fim de “responder aos questionamentos suscitados no primeiro turno das Eleições 2018”.

PUBLICIDADE
Reprodução/Agência Brasil

Na companhia da referida ministra estarão o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), general Sérgio Etchegoyen, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a advogada-geral da União, Grace Mendonça, e o diretor-geral da Polícia Federal, o delegado Rogério Galloro.

Não existirá nenhum credenciamento prévio para a imprensa.

O motivo

Em uma reportagem divulgada na quinta-feira, dia 18 de outubro, a Folha mostrou que um grupo de empresários – entre os quais está Luciano Hang, o dono da Havan – está contratando empresas para soltar uma série de fake news em massa contra o PT a fim de favorecer a campanha de Jair Bolsonaro (PSL). A prática é considerada ilegal, pois ela corresponde a doação de campanha por empresas, algo expressamente proibido pela legislação eleitoral, além do fato de não ter sido declarada na prestação de contas da campanha junto ao TSE.

Durante a prestação de contas do candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), aparece somente a empresa AM4 Brasil Inteligência Digital, como tendo recebido um valor de R$ 115 mil para mídias digitais. De acordo com a reportagem, os contratos chegam a atingir os R$ 12 milhões e devem estimular uma enorme campanha de ódio contra o PT a partir de domingo, dia 21 de outubro, justamente bem na última semana da campanha.

PUBLICIDADE

Pressão nas redes sociais

O TSE foi intensamente pressionado nas redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram) para emitir algum posicionamento a respeito da denúncia de caixa 2 e crime eleitoral por parte da campanha de Jair Bolsonaro.

Não somente os usuários comuns fizeram posts cobrando atitudes do TSE, mas também artistas gravaram vídeos pedindo que o caso fosse devidamente apurado pelos órgãos competentes.

A notícia bombástica também repercutiu na imprensa internacional.