Skip to content
PUBLICIDADE

Mãe e padrasto de Henry Borel dão entrevista sobre morte do menino: ‘duas horas mais horríveis da minha vida’

PUBLICIDADE

Monique Medeiros e o vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade), mãe e padrasto de Henry Borel, cederam entrevista ao Domingo Espetacular, da rede Record. O programa foi ao ar ontem e trouxe declarações do casal sobre aquela madrugada do dia 08.

Durante a entrevista, Monique destacou o quanto o filho era único. “Gentil, educado, dócil, carinhoso” foram alguns dos adjetivos escolhidos pela mãe para falar de Henry. Medeiros ainda afirmou que Henry era “sua prioridade” e também sua “vida”.

O caso ganhou grandes proporções porque a morte do menino vem sendo investigada pela polícia. Monique chegou a dizer que acredita que o filho tenha caído da cama, mas laudos do IML apontam em outra direção.

PUBLICIDADE

Segundo análise de peritos, Henry sofreu lesões por “ação contundente”, que na leitura técnica frequentemente significa agressão. De lá para cá, a polícia se esforça em tentar solucionar o que teria acontecido na casa naquela madrugada.

Na entrevista, Jairinho falou diretamente sobre as suspeitas de que Henry tenha sido vítima de homicídio e negou que tenha havido qualquer crime no apartamento naquela noite. “Eu tenho certeza absoluta, diante de Deus, que assassinato não foi”, afirmou o vereador.

PUBLICIDADE

Jairinho, que é médico, não socorreu o enteado, que recebeu manobras de primeiros socorros da própria mãe. O parlamentar explica que pensou apenas em correr com o menino para o hospital.

“Nesse momento que entro no hospital, já tem quatro profissionais de saúde em cima dele, depois seis, depois oito. Vi que era grave. Monique nervosa. Foram as duas horas mais horríveis da minha vida”, afirmou o vereador.

O pai de Henry, por sua vez, questiona a versão e teme que o filho tenha sido agredido antes de morrer. “Que tipo de acidente doméstico? Foi algo muito agressivo, algo que não é feito numa queda de cama”, afirmou, evitando acusar alguém e afirmando apenas que agora o caso está nas mãos da polícia.

PUBLICIDADE