Notícias

EUA enviam mais de 5.200 soldados para a fronteira do México

0

Reprodução/ REUTERS/Ueslei Marcelino

(Por REUTERS)

O presidente Donald Trump, que se apoderou da caravana migrante da América Central em comícios de campanha antes da votação, disse no Twitter que os militares esperariam pela procissão – sugerindo um papel muito mais direto no enfrentamento dos migrantes do que os oficiais de defesa dos EUA anteriormente. sugerido.

“Muitos membros de gangues e algumas pessoas muito ruins são misturados na caravana indo para a nossa fronteira sul”, Trump twittou.

“Por favor, volte, você não será admitido nos Estados Unidos a menos que você passe pelo processo legal. Esta é uma invasão do nosso país e nosso exército está esperando por você! ”Ele adicionou.

Uma caravana de maioria de hondurenhos, estimada entre 3.500 e 7.000, que deixou o país em meados de outubro, está agora no sul do México. Desde então, mais duas caravanas de migrantes partiram.

Alguns migrantes abandonaram a jornada, dissuadidos pelas dificuldades ou pela possibilidade em vez de fazer uma nova vida no México. Outros se juntaram ao sul do México.

Existem 2.100 forças da Guarda Nacional dos EUA na fronteira, enviadas após um pedido anterior do Trump em abril.

Autoridades dos EUA disseram à Reuters na semana passada que as forças armadas não teriam um papel ativo na aplicação da lei, enviando engenheiros, pilotos e outros funcionários de apoio, incluindo alguns que podem lidar com o controle de multidões no lado norte-americano da fronteira. Autoridades do Pentágono se recusaram a comentar na segunda-feira.

Na semana passada, o secretário de Defesa, Jim Mattis, autorizou o uso de tropas e outros recursos militares na fronteira dos EUA com o México. Autoridades dos EUA disseram à Reuters que começarão a ser implantadas na terça-feira e que sua missão foi autorizada até meados de dezembro, data que pode ser ampliada.

A autorização de Mattis, na semana passada, permitiu que os militares fornecessem “capacidades de melhoria da missão” para a Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA para ajudar a construir barreiras temporárias e habitação.

No domingo, Mattis disse a repórteres que alguns materiais de construção já estavam sendo transferidos para a fronteira, incluindo barreiras. Ele disse que o Departamento de Defesa ainda está planejando a logística e os detalhes da implantação.

Mattis sugeriu que a missão levaria tempo para se desenvolver, dizendo que seria uma operação “em fases”. Autoridades norte-americanas disseram à Reuters que a missão de apoio seria coordenada pelo Comando Norte das Forças Armadas dos EUA.

Trump, que fez campanha contra a imigração ilegal para ganhar a eleição presidencial dos EUA em 2016, aproveitou esta caravana no período que antecedeu as eleições para o Congresso, aumentando o apoio ao seu Partido Republicano, que procura manter o controle do Congresso.

Se os republicanos perderem o controle da Câmara dos Deputados ou do Senado, pode se tornar muito mais difícil para Trump buscar sua agenda política nos dois anos restantes de seu mandato.

A decisão de Trump de chamar as forças armadas parece ser um afastamento da prática passada, pelo menos nos últimos anos, em que tais operações foram realizadas pelas forças da Guarda Nacional – em grande parte membros militares de tempo parcial que são frequentemente chamados a servir em resposta a emergências domésticas.

A decisão de enviar forças ativas desta vez dá ao Pentágono a capacidade de maior capacidade móvel mais rápida do que a que estaria imediatamente disponível com a Guarda, disseram autoridades à Reuters.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Notícias