Skip to content

Denis Mukwege, médico ganhador do prêmio Nobel da Paz, conta relatos de sua luta contra estupros em guerras

(Por BBC News)

PUBLICIDADE

O ginecologista congolês Denis Mukwege é conhecido como “Doutor Milagroso” por sua capacidade de reparar, através de cirurgia reconstrutiva, os horríveis danos infligidos a mulheres que foram estupradas.

O ginecologista congolês de 63 anos de idade montou o hospital de Panzi na cidade de Bukavu, no leste da República Democrática do Congo, há quase 20 anos – pouco depois de ter tido sua primeira experiência no tratamento de uma mulher que havia sido estuprada e mutilada por homens armados.

O Dr. Mukwege relatou a terrível lesão que o paciente sofrera em uma entrevista à BBC, dizendo que a mulher não só havia sido estuprada, mas balas haviam sido disparadas contra seus genitais e coxas.

Ele e seus colegas já trataram dezenas de milhares de vítimas.

O hospital de Panzi agora cuida de mais de 3.500 mulheres por ano. Às vezes o Dr. Mukwege realiza até 10 operações por dia.

PUBLICIDADE

‘Capital de estupro do mundo’

“Eu … comecei um hospital feito de tendas. Eu construí uma maternidade com uma sala de cirurgia. Em 1998, tudo foi destruído novamente. Então, eu comecei tudo de novo em 1999”, disse ele à BBC em 2013.

A Panzi hopsital cresceu desde então para se tornar uma importante instalação de saúde no leste da República Democrática do Congo. Seu site diz que tem 370 médicos, enfermeiros e equipe de apoio.

Atende uma população de 400.000 e também trata pacientes de países vizinhos.

O leste da República Democrática do Congo foi devastado por mais de duas décadas de conflito, com numerosos grupos armados lutando pelo controle dos ricos depósitos de ouro e outros minerais preciosos da região.

Muitas milícias diferentes foram acusadas de realizar a violação indiscriminada das mulheres da região.

“O conflito na República Democrática do Congo não é entre grupos de fanáticos religiosos. Nem é um conflito entre estados. Este é um conflito causado por interesses econômicos – e está sendo travado pela destruição de mulheres congolesas”, disse Mukwege à BBC.

Em 2010, um alto funcionário da ONU classificou o país como “a capital mundial do estupro”.

Mulheres arrecadaram fundos para o seu retorno

Em setembro de 2012, em discurso na ONU, o Dr. Mukwege criticou o governo do Presidente Joseph Kabila e outros países por não fazer o suficiente para parar o que ele chamou de “uma guerra injusta que usou violência contra mulheres e estupro como estratégia de guerra”.

No mês seguinte, ele foi alvo de pistoleiros que invadiram sua casa e brevemente mantiveram suas filhas como reféns.

Segundo o site de sua organização, seu amigo e segurança foram mortos durante o ataque.

Mais tarde, ele fugiu com sua família para a Suécia, depois para a Bélgica.

Ele voltou para casa em 2013 após uma campanha de mulheres locais que arrecadaram fundos para pagar o seu bilhete de retorno.

“Depois desse gesto, eu realmente não pude dizer não. E também, eu estou determinado a ajudar a combater essas atrocidades, essa violência.”

“Minha vida teve que mudar, desde o retorno. Agora moro no hospital e tomo uma série de precauções de segurança, por isso perdi um pouco da minha liberdade”, disse ele ao programa Outlook da BBC em 2013.

Atualmente, o Dr. Mukwege vive sob a proteção permanente das forças de paz da ONU em seu hospital.

‘Eu estava operando quando ouvi a notícia’

Ele disse ao comitê do Nobel em uma breve entrevista que ele estava no centro cirúrgico quando a notícia do prêmio chegou.

“Foi quando eu estava operando e ouvi as pessoas começarem a chorar e foi tão, tão surpreendente”, disse ele.

“Eu posso ver em face de muitas mulheres como elas estão felizes em serem reconhecidas e isso é realmente muito tocante”, acrescentou.

Uma foto do Dr. Mukwege e da equipe do hospital Panzi celebrando a vitória do Nobel foi compartilhada no Twitter: