Skip to content

3 razões para amar a série American Horror Story

Bons personagens, bom enredo e muita atmosfera sombria: essa é a tríade que faz de American Horror Story (disponível na Amazon Prime Vídeo) um sucesso absoluto, mesmo após o fim das suas oito temporadas.

PUBLICIDADE

 1 – Os enredos

Cada uma das oito temporadas de American Horror Story é independente das demais, o que faz com que ela seja chamada de série ontológica. O resultado é que há oito enredos diferentes e todos eles mantêm a mesma qualidade: são sustos sutis, mas que deixam o psicológico altamente abalado (para quem gosta, é um prato cheio).

As histórias são muito bem construídas e, conforme as temporadas vão chegando ao final, estão várias reviravoltas surpreendentes. Além disso, os cenários também são muito apropriados para cada um dos enredos.

PUBLICIDADE

2 – Jessica Lange e Evan Peters

Os dois atores são motivos de sobra para se encantar com American Horror Story é o melhor é que eles estão em praticamente todas as temporadas. Jessica Lange é a cara da série, sendo uma das atrizes mais emblemáticas e imediatamente associadas a AHS.

PUBLICIDADE

Já Evan Peters, além de dar vida a personagens muito queridos da série, também é um colírio para muitos telespectadores. No caso da primeira temporada, Jessica dá vida à Constance, uma das personagens que conhecem a história da Casa dos Assassinatos, principal cenário da temporada.

Evan Peters dá vida a Tate Langdon, que é filho dela e um garoto problemático, mas com lampejos de bondade.

3 – A atmosfera assustadora

A forma como todas as temporadas são construídas é bastante sombria, tanto pelos personagens misteriosos quanto pelo cenário. Por isso, é comum que os telespectadores tenham um pouco de medo de assistir a American Horror Story à noite, mesmo os mais aficionados por histórias de terror e horror.

As aberturas da série são um caso à parte e muita gente resolve assistir à produção justamente por ver as suas propagandas. Quem assistiu à primeira temporada não se esquece das fotografias de bebês usadas na abertura.