Economia

Guerra comercial de Trump produz boom agrícola no Brasil e melancolia em Iowa

0

Reprodução/KFGO

(Por REUTERS) Os produtores locais de soja desembolsam mais de meio milhão de dólares para viver no complexo. Vendedores de equipamentos agrícolas próximos, concessionárias de veículos e lojas de material de construção também estão agitados.

Reprodução/KFGO

Enquanto isso, quase 5.000 milhas ao norte em Boone, Iowa, os agricultores estão se escondendo. Em uma recente feira agrícola aqui, Steve Sheppard, produtor de milho e soja de Iowa, refletiu o clima de cautela.

“Eu não estou comprando nenhuma máquina, não estou gastando nenhum dinheiro”, disse Sheppard.

Dois países. Mesmo negócio. Dois destinos muito diferentes. O motivo: China.

Uma crescente guerra comercial entre os Estados Unidos e a China está reorganizando os negócios globais de grãos. Em resposta às tarifas de administração de Trump sobre produtos chineses, Pequim impôs neste ano impostos sobre os produtos agrícolas dos EUA. Entre eles, havia uma tarifa de 25% sobre a soja, a única exportação agrícola mais valiosa dos EUA. Os produtores dos EUA venderam US $ 12 bilhões para a China somente no ano passado.

A precipitação foi rápida. A China, maior importadora mundial de soja, reduziu as compras de grãos dos EUA para alimentar seu enorme rebanho de suínos.

O país está se voltando para o Brasil, que há duas décadas lidera a onda de demanda chinesa para se tornar uma potência agrícola global. As exportações brasileiras de soja para o país asiático aumentaram 22% em valor entre janeiro e setembro, em comparação com o mesmo período do ano passado.

As produtoras brasileiras não estão vendendo apenas mais grãos, sua soja está chegando a US $ 2,83 a mais por bushel do que os grãos dos Estados Unidos, acima de um prêmio de apenas US $ 0,60 há um ano, graças às compras chinesas intensificadas.

Os preços da soja norte-americana, por sua vez, caíram recentemente para níveis baixos da década, que os agricultores dizem estar abaixo do custo de produção. A queda fez com que o setor agrícola atrapalhasse uma economia norte-americana saudável. A administração Trump disse em julho que gastaria até US $ 12 bilhões em fundos dos contribuintes para ajudar os agricultores dos EUA a compensar as perdas relacionadas ao comércio, embora o pacote de ajuda possa encolher.

Muitos fazendeiros americanos, eleitores esmagadoramente conservadores que ajudaram a impulsionar Donald Trump à presidência, estão ao lado de seu homem. Eles acreditam que ele acabará negociando um acordo comercial melhor com a China, cujo apetite por soja é tão grande que não pode se livrar completamente dos grãos dos EUA.

Mas, por enquanto, as políticas de comércio Trump estão entregando preciosa participação de mercado, dinheiro e impulso ao Brasil, o competidor agrícola mais formidável dos Estados Unidos. Alguns temem que o terreno perdido seja difícil de recuperar.

“Más notícias sobre tarifas nos EUA são boas notícias para eles”, disse Robert Crain, gerente geral das Américas para a revendedora de equipamentos AGCO Corp., sobre os agricultores brasileiros em uma entrevista no show em Iowa.

A torre do condomínio de luxo Bella Vita sobe 20 andares na cidade de Luís Eduardo Magalhães, no nordeste do Brasil. Sua sala de cinema privada e heliponto são símbolos de quão longe esta comunidade agrícola empoeirada veio desde que foi fundada há apenas 18 anos.

BOON PARA O BRASIL
Como os seus homólogos dos EUA, os agricultores do Brasil produzem muito mais grãos do que o necessário em casa. Os clientes estrangeiros são responsáveis ​​pelo boom agrícola do país. Quase 80% das exportações brasileiras de soja agora seguem para a China.

A cidade de Luís Eduardo Magalhães é um testemunho da importância deste comércio internacional. Localizada no estado da Bahia, com fazendas que se estendem em todas as direções, a área rural anteriormente não incorporada em menos de duas décadas aumentou para 85.000 pessoas. Isso é maior que Sioux City, a quarta maior cidade de Iowa.

Os principais empregadores em Luís Eduardo, como a maioria dos habitantes locais chamam a cidade, incluem fábricas de fertilizantes, produtores de sementes e processadores de soja e algodão. A área “depende 100% da agricultura”, disse Carminha Maria Missio, agricultora e presidente do sindicato dos produtores locais.

Enquanto a economia geral do Brasil está presa em uma vala, o setor agrícola do país registrou um crescimento de 13% no ano passado. A concessionária John Deere em Luís Eduardo viu suas vendas subirem 15% em 2017 e espera um crescimento de dois dígitos novamente este ano, disse o sócio-gerente Chico Flores Oliveira.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Economia