Skip to content

Brasil passa de 2,5 milhões de infectados de 90 mil mortos

O Ministério da Saúde divulgou nessa quarta-feira (29) o maior número de infecções e mortes confirmados já registrados em apenas um dia. No período, foram contabilizados 69.074 novos diagnósticos e 1595 novos óbitos por Covid-19.

PUBLICIDADE

O registro vem um dia após o Estado de São Paulo sofrer instabilidades em seu sistema digital para computar e divulgar os dados da doença.

No total, o Brasil registra agora a marca de 2.552.265 infectados e 90.134 mortos pelo novo coronavírus.

Nas últimas duas semanas, que já são a 29ª e 30ª semanas de epidemia, esta terminada no último sábado (25), o Brasil viu um avanço no seu número de casos.

Regiões

Sem qualquer controle direto sobre a taxa de transmissão da doença, e na falta de um isolamento social efetivo, todas as regiões do país registraram aumento de casos, inclusive Norte e Nordeste.

PUBLICIDADE

Recentemente, os Estados das regiões estavam registrando quedas nos seus números de casos, mas voltaram a aumento nas últimas semanas, divulgando crescimentos de 8%  e 27%, respectivamente,

Já a região Centro-Oeste observou o maior avanço da doença, com 63% de crescimento dos casos. Depois, está a região Sudeste, com 51% de expansão. A região Sul, por seu turno, viu um aumento de 25% no comparativo das semanas.

Com relação aos óbitos confirmados pelo vírus, todas as regiões também registraram aumentos, exceto o Nordeste, que informou queda de 8% nas mortes.

Tendências

Para Arnaldo Correia, secretário de Vigilância em Saúde, o número de óbitos, apesar de previsível para um país continental, tem se mantido relativamente constante, aumentando em 5% entre a 29ª e a 30ª semana epidemiológica.

De uma semana a outra, foi registrada uma ampliação de 36% nos casos.

O movimento faz piorar a situação do país na pandemia, com um maior crescimento relativo de uma semana a outra nos números do estados do que em períodos anteriores.

Os casos de 18 Estados têm tendência de crescimento, de 3 há estabilização e apenas 6 apontam para redução. No caso das mortes, há tendência de subida em 12 Estados, de estabilização em 7 e de diminuição em 8.