Skip to content

Sarcófago no Egito com múmia desconhecida de mais de 2 mil anos intriga arqueólogos

(BBC NEWS) Arqueólogos do Egito fizeram uma descoberta neste mês de um intrigante e misterioso sarcófago de cor preta portando quase 2 metros de altura na cidade de Alexandria, situada na costa norte do Egito.

PUBLICIDADE
Crédito da imagem: Facebook Ministérios das Antiguidades do Egito/Reprodução

Essa descoberta tem intrigado os especialistas pelas proporções do túmulo e pelo fato dele parecer estar intacto há mais de 2 mil anos – diferente de outros do Egito Antigo que, no decorrer dos séculos, foram largamente saqueados e danificados.

Esse é o maior sarcófago que já foi encontrado na região de Alexandria. O respectivo anúncio da descoberta foi realizado pelo Secretário Geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, cujo nome é Mostafa Waziri.

O sarcófago em questão é feito de granito preto, possuindo 1,85 metros de altura, 2,65 metros de comprimento e por fim 1,65 metros de largura. Ele foi encontrado em uma tumba contendo 5 metros de profundidade. Além do sarcófago em si,  foi encontrada também uma cabeça de homem e esculpida em alabastro. As especulações são de que essa cabeça talvez seja uma espécie de retratação do homem que foi enterrado no local.

PUBLICIDADE

De acordo com o Ministério das Antiguidades egípcio, o dono do túmulo ainda não foi devidamente identificado e, segundo especialistas, é possível que tenha se tratado de um nobre daquela época.

A descoberta foi efetuada por uma missão de arqueólogos do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito durante uma série de escavações para realizar a inspeção do terreno de um morador de Alexandria, pois ele intencionava construir os alicerces de uma construção na área.

PUBLICIDADE

Acredita-se que o referido túmulo pertença ao período ptolemaico, que iniciou depois da morte de Alexandre, O Grande, no ano de 305 a.C. e tenha durado até 30 a.C, quando a então rainha Cleópatra 7ª foi derrotada e o Egito se transformou em uma província do Império Romano.

“Há uma camada de argamassa entre a tampa e o corpo do sarcófago, evidenciando que ele não é aberto desde que foi lacrado na antiguidade”, conta Ayman Ashmawy, o chefe do Setor de Antiguidades do Egito Antigo, em uma declaração postada pelo Ministério de Antiguidades do Egito, no seu perfil oficial no Facebook.

A partir de agora, o túmulo está sendo vigiado, enquanto especialistas se preparam para descobrir qual o conteúdo que precisamente existe no interior do sarcófago.

“Esperamos que este túmulo pertença a um dos alto dignatários do período”, falou Ashmawy, em uma entrevista divulgada pelo jornal The Guardian. Ele adicionou ainda: “A cabeça de alabastro muito provavelmente é de um nobre em Alexandria. Assim que abrirmos o sarcófago, nossa expectativa é de encontrar no seu interior objetos intactos, o que nos auxiliará na identificação dessa pessoa e a posição que ela ocupava”.

“São cinco metros de profundidade e o volume da coisa toda pesa por volta de 30 toneladas. Só a tampa, isoladamente, possui 15 toneladas”, explicou ele, na tal entrevista para o The Guardian.

Uma equipe de engenheiros deverá fazer uma visita ao local dentro das próximas semanas. A esperança é que proporcionem os equipamentos e os suportes necessários para que a tampa do sarcófago possa ser removida. Pessoas especializadas em mumificação e restauração também irão participar da abertura do túmulo para assegurar que seu conteúdo seja preservado.