Skip to content

“Quanto custa o outfit”: ostentação de roupas caras gera polêmica nas redes sociais

Dois vídeos causaram bastante polêmica nas redes sociais nessas últimas semanas: o famigerado “Quanto custa o Outfit”.

PUBLICIDADE

Um canal do YouTube chamado “Hyped Content” postou um vídeo, cujo nome é “Quanto custa o outfit”, onde jovens foram convidados para contar qual a marca de cada peça de roupa e de acessório que eles estão usando e qual o valor que pagaram por cada uma.

Após enunciar o preço individual de cada peça, é exibida a soma total dos valores gastos com o look, o dito “outfit”, que nada mais é do que uma roupa que está em alta na moda atualmente.

Assista o vídeo para poder se inteirar melhor do assunto e entender a origem da polêmica:

https://www.youtube.com/watch?v=zBKX9l4z13k

A ideia do vídeo não é totalmente original, mas sim inspirada em um conteúdo similar do canal The Unknown Vlogs.

PUBLICIDADE

O vídeo viralizou, chamando a atenção não apenas pelo alto valor gasto em cada peça individualmente falando, mas também pelo elevadíssimo custo total.

Choveram inúmeras críticas, não apenas pela questão da cultura da ostentação e do valor social de um indivíduo por aquilo que ele possui materialmente, mas pela enorme discrepância entre os altos valores gastos e exibidos pelas jovens em comparação com a realidade social precária e fragilizada de boa parte da população.

O evento SOLD OUT

Os meninos e meninas que apareceram nos dois volumes de vídeos com o tema “Quanto custa o outfit” estavam frequentando um evento chamado “SOLD OUT”, que ocorre em São Paulo. Nesse evento, diversas pessoas, principalmente jovens, revendem e trocam itens do estilo street wear.

Porém, como pode ser observado no vídeo, todos os itens são itens de marcas famosas e bastante renomadas entre o público, com preços caríssimos e muito difíceis de conseguir. Essas três características só agregam ainda mais o valor e o hype em cima dos produtos, trazendo consigo uma legião de fãs.

A cultura do “hype” e da ostentação

Nenhuma das pessoas que aparecem no vídeo parecem demonstrar qualquer tipo de vergonha ou receio em contarem os valores que pagaram. Pelo contrário: apreciam e muito toda essa ostentação.

Ao contrário do que se costuma ver habitualmente entre fãs de moda e afins, a ostentação não diz respeito a nenhum item clássico, como jóias, casacos de couro legítimo e similares. Mas sim itens de uma moda mais moderna, urbana, descolada, casual, sport, street, enfim, a chamada street wear.

Fellipe Scudero e Caio Kokubo, criaram o canal com o objetivo de documentar a cena streetwear. Segundo eles, o intuito não era a pura ostentação, mas conseguir um bom posicionamento no mercado de conteúdo trends.

Em entrevistas para alguns canais de comunicação, Scudero afirmou que não imaginava que o vídeo fosse viralizar e ter a repercussão que teve. Disse ainda que recebeu toda sorte de comentários, inclusive comentários de ódio.

Quanto à essas comentários de ódio, Scudero afirma ainda que “A desigualdade no Brasil não é culpa minha. Para uma série de pessoas, pode soar exagerado, mas é algo que eu aprecio, do mesmo modo que tem gente que gasta com outras coisas”.