Skip to content

A impossibilidade de saber se Zuckerberg é capaz de dar um jeito no Facebook

(Por The Verge) Mark Zuckerberg é capaz de consertar o Facebook antes dele acabar ajudando a destruir a democracia? Essa é a manchete no perfil de 14 mil palavras de Evan Osnos do CEO do Facebook, depois de dois anos de escândalos, no New Yorker. Essa questão é talvez sem resposta – o que significaria consertar o Facebook ou a democracia? – mas o artigo faz um trabalho melhor que a média para explorar seus contornos.

PUBLICIDADE

Osnos teve a chance de entrevistar Zuckerberg várias vezes, até ameaçando o CEO em sua casa. O nova-iorquino é excelente em analisar seus perfis narrativos com anedotas brilhantes e coloridas, e as histórias de Osnos sobre o controle de jogos de tabuleiro de Zuckerberg são deliciosos:

Há alguns anos, ele jogou Scrabble em um jato corporativo com a filha de um amigo, que estava no ensino médio na época. Ela ganhou. Antes de jogarem um segundo jogo, ele escreveu um programa de computador simples que procurava suas cartas no dicionário para poder escolher entre todas as palavras possíveis. O programa de Zuckerberg tinha uma vantagem estreita quando o vôo pousou. A menina me disse: “Durante o jogo em que eu estava usando o programa, todos ao nosso redor estavam tomando partido: Team Human e Team Machine.”

A caricatura de Zuckerberg é a de um autômato com pouca consideração pelas dimensões humanas de seu trabalho. A verdade é outra coisa: ele decidiu há muito tempo que nenhuma mudança histórica é indolor. Como Augustus, ele está em paz com suas compensações. Entre fala e verdade, ele escolheu a fala. Entre a velocidade e a perfeição, ele escolheu a velocidade. Entre escala e segurança, ele escolheu escala. Sua vida até agora o convenceu de que ele pode resolver “problema após problema após problema”, não importando o uivo do público que possa causar.

A certa altura, os hábitos mentais que serviram bem a Zuckerberg em sua ascensão começarão a trabalhar contra ele. Para evitar novas crises, ele terá que abraçar o fato de que agora ele é um protetor da paz, não um desorganizador dela. O poder colossal de persuasão do Facebook proporcionou fortuna, mas também perigo. Goste ou não, Zuckerberg é um formador de opinião. A era em que o Facebook poderia aprender fazendo e consertar os erros mais tarde acabou. Os custos são muito altos e o idealismo não é uma defesa contra a negligência.

O Facebook, e Zuckerberg, tiram grande parte de sua confiança desde os tempos antigos de que a empresa parecia estar à beira do esquecimento: o lançamento inicial do feed de notícias;  o IPO fracassado e transição de sucesso improvável para se tornar uma empresa de software móvel.

PUBLICIDADE

Mas, como observa Osnos, os desafios enfrentados pela empresa hoje são diferentes tanto em escala quanto em espécie. Em Mianmar, nas Filipinas, no Sri Lanka e na Alemanha, o Facebook tem sido vinculado a surtos de violência. Sua capacidade de moderar a grande quantidade de conteúdo que ingere de uma maneira que equilibra fala e segurança foi misturada na melhor das hipóteses.