FilmesReviews

Review/Crítica do filme “Estrelas Além do Tempo” (2017)

0

A história, infelizmente, é muitas vezes escritas por aqueles tidos como “vencedores”. Esses “vencedores” nada mais são do que pessoas pertencentes a grupos dominantes da sociedade que, detendo o poder em suas mãos, buscam também exercer o domínio sobre os discursos.

Muitos foram silenciados, inclusive na narrativa histórica. Os feitos de pessoas pertencentes à categorias sociais minoritárias foram, por diversas vezes, minorados, silenciados e até mesmo excluídos.

Ser mulher na sociedade é algo complicado. Ser negro na sociedade é bastante difícil. Quando se é mulher e negra então, tem de se lidar com um combo de opressões inimagináveis.

O filme “Estrelas Além do Tempo” (2017) é exatamente sobre isso: a história de pessoas que tiveram que lidar com uma enorme carga de opressão da sociedade, e, a despeito disso, conseguiram feitos incríveis.

A obra cinematográfica “Estrelas Além do Tempo” foi sem sombra de dúvida um dos filmes mais fascinantes de 2017. Esse filme foi capaz de reunir inúmeros elementos que fazem dele algo muito além do que um bom filme de 2017, mas uma obra que pode ser assistida muitas e repetidas vezes.

Sinopse do filme “Estrelas Além do Tempo”

O ano é 1961. O mundo está dividido em dois pólos dicotômicos: aqueles que apoiam o regime capitalista, cuja super potência são os Estados Unidos e aqueles que apoiam o regime socialista, cuja super potência é a União Soviética (atualmente extinta). Em outras palavras, a história se passa no contexto da Guerra Fria.

Durante esse momento, por conta da Guerra Fria, os EUA e a URSS estão em plena corrida espacial, disputando a supremacia nesse campo.

Além disso, os EUA ainda vive nesse período a terrível segregação racial, que se reflete inclusive na NASA, onde trabalham 3 talentosas e brilhantes matemáticas: Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe).

Essas 3 fenomenais e inteligentíssimas mulheres negras tem de lidar com todo o profundo e odioso racismo e segregação, inclusive em em próprio ambiente de trabalho. Elas tem de trabalhar dobrado e se destacar para conseguirem ascenderem na NASA.

Crítica do filme

Um primeiro trunfo desse filme é esse impagável trio composto por Taraji P. Henson, Octavia Spencer e Janelle Monáe. As 3 atrizes conseguiram incorporar muito bem o perfil de suas respectivas personagens, trazendo mais profundidade, sensibilidade e verdade para o papel delas nessa narrativa.

Uma crítica vai para Octavia Spencer, que já havia ganhado o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por causa do filme “Histórias Cruzadas”. Sua atuação, apesar de boa como sempre, de certa forma, acaba repetindo o mesmo perfil de outras atuações que teve.

Monáe é outra que merece destaque, por todo o tom altivo e corajoso que imprime a sua personagem, que necessita desbravar lugares até então nunca atingidos – até aquele momento – por uma mulher negra.

Taraji P. Henson merece outro destaque, por dar a Katherine todo um jeito sereno, amável, mas sem deixar de ser determinada e saber o que quer.

Uma das cenas mais marcantes do filme é quando Katherine é forçada a correr para outro prédio,em outro departamento, em uma viela próxima, para poder ir ao banheiro destinado a mulheres negras (negros eram proibidos de usar o mesmo banheiro que brancos). Quando ela volta a sala onde trabalha e é questionada pelo chefe, expõe, de forma intensa, toda sua frustração e indignação pelas condições que tem que enfrentar, justificando o porque ela eventualmente não é encontrada na sala. Taraji consegue nesse momento transmitir toda a raiva, toda a indignação sentida por Katherine.

É interessante que o filme expõe e desconstrói, de certa forma, aquela ideia do senso comum de que pessoas estudadas e tidas como inteligentes seriam supostamente desprovidas de preconceito, o que fica evidente diante de tudo aquilo que essas mulheres negras tiveram que enfrentar dentro da NASA.

Katherine, Mary e Dorothy quebram vários paradigmas em um ambiente explicitamente discriminatório e preconceituoso. Contudo, o filme, mesmo com tudo isso, toca de forma amena demais na questão racial.

Os personagens de Kirsten Dunst e Jim Parsons, são bastante rasos e estereotipados, passando posteriormente pelo velho clichê da “transformação”.

Esses defeitos pontuais, apesar dos pesares, não tiram toda a beleza e emoção da obra, que prende o espectador e o faz torcer por essas mulheres badass e cheias de bravura. O filme consegue bem o seu intento: mostrar a impressionante história dessas “figuras escondidas” (as “Hidden Figures” do título original).

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Filmes