Politica

Tensões entre EUA e China sobem à medida que “nova guerra fria” esquenta

0

(Por The Guardian)

Os EUA e a China ignoraram as regras e restrições que mantiveram sua rivalidade global do século XXI em xeque, abrindo caminho para um conflito crescente em muitas frentes que nenhum dos lados parece disposto ou capaz de parar.

Autoridades chinesas acusaram Washington de iniciar uma nova guerra fria, mas o empurrão entre os dois poderes já mostrou seu potencial para se tornar quente devido a acidentes ou erros de cálculo, se não forem tomadas medidas para diminuir as tensões.

Nas últimas semanas, com o surgimento de uma guerra comercial entre os dois países, navios de guerra americanos e chineses ficaram a poucos metros de colisões no Mar do Sul da China. E o FBI armou uma armadilha na Bélgica para um alto funcionário da inteligência chinesa e o mandou extraditar para os EUA, provocando fúria em Pequim.

Washington, por sua vez, aumentou significativamente sua retórica belicosa, retratando a China como um adversário perigoso. Em uma reunião do conselho de segurança da ONU no mês passado, Donald Trump acusou Pequim – sem citar evidências – de tentar derrubá-lo por interferência nas eleições dos EUA.

Poucos dias depois, seu vice-presidente, Mike Pence, ampliou a acusação, dizendo que a China estava adotando uma “abordagem de todo o governo”, incluindo métodos “coercivos” para interferir na política interna dos EUA para levar ao poder “diferentes EUA. Presidente”. Pence, como o presidente, não forneceu evidências para a alegação.

A maioria dos especialistas disse que a China – apesar de líder em espionagem econômica que buscou fazer lobby contra as políticas tarifárias de Trump – não estava tentando hackear as eleições dos EUA na forma como a Rússia se intrometeu na votação de 2016 que levou Trump ao Salão Oval.

Mas o governo chinês encerrou um cessar-fogo cibernético entre o presidente Xi Jinping e Barack Obama em 2015, desencadeando exércitos de hackers mais uma vez em busca dos segredos comerciais das empresas americanas.

E Pequim ordenou que sua Marinha usasse táticas mais agressivas para impedir que navios norte-americanos e aliados naveguassem perto de ilhas e recifes no Mar do Sul da China e se transformassem em postos avançados militares para assegurar o controle de rotas marítimas estratégicas.

O cessar-fogo cibernético de Xi-Obama de 2015 não impediu a espionagem cibernética, mas levou a uma drástica redução do roubo de propriedades intelectuais por parte do Estado chinês, para o benefício competitivo da indústria chinesa. Essa trégua está agora bem e verdadeiramente terminada, de acordo com Dmitri Alperovitch, o co-fundador da firma de segurança cibernética CrowdStrike.

“CrowdStrike pode agora confirmar que a China está de volta (após uma grande queda na atividade em 2016) para ser a ameaça de intrusão predominante no estado-nação em termos de volume de atividade contra a indústria ocidental”, disse Alperovitch no Twitter.

“Alguns meses após o acordo de Obama-Xi de setembro de 2015, testemunhamos uma queda de 90% nas intrusões patrocinadas pelo Estado-nação chinês contra o setor comercial ocidental. Eles começaram a recuperá-lo em 2017 e a tendência só se acelerou desde então ”.

Christopher Painter, que foi o principal ciberataque dos EUA sob o governo Obama, disse que Pequim concordou com o acordo cibernético de 2015 porque não queria que a ameaça de sanções ofuscasse uma visita de estado de Xi.

“Não foi visto apenas como uma questão cibernética, mas uma questão de segurança econômica e nacional que afetou o relacionamento como um todo”, disse Painter, agora comissário da Comissão Global para a Estabilidade do Ciberespaço. “Certamente ainda havia hackers acontecendo, mas houve uma queda substancial”.

“Se o aumento relatado for verdadeiro, eu atribuo em parte a essa deterioração do relacionamento como um todo, porque foi isso que os trouxe à mesa em primeiro lugar.”

Enquanto isso, os Estados Unidos intensificaram suas contra-medidas, passando de vulnerabilidades que remediam a defesa e identificando os agressores cibernéticos chineses – passando à ofensiva.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Politica