Skip to content

Preconceito: Presidente tcheco defende afirmação de que a maioria dos ciganos não trabalha

(Por REUTERS) O presidente tcheco se recusou no domingo a desistir de comentários que apontam para uma taxa de 90 por cento de desemprego entre os ciganos do país, sendo reprovada por ativistas e ativistas de direitos.

PUBLICIDADE
Reprodução/ EPA-EFE/MARTIN DIVISEK

A última briga do presidente Milos Zeman com uma das poucas minorias no país-membro da União Européia começou há duas semanas quando ele disse que, apesar de desprezar o antigo regime comunista, pelo menos fez o povo cigano trabalhar.

Seus comentários provocaram críticas, inclusive de pessoas da Roma que postaram centenas de fotos de si mesmas trabalhando nas mídias sociais e pedindo desculpas ao presidente. Ele recusou, dizendo que essas imagens eram do décimo dos ciganos que realmente trabalham.

“Eu disse claramente que agradeço os 10% dos ciganos que trabalham”, disse Zeman em entrevista ao vivo no site www.blesk.cz ao responder a uma pergunta de um telespectador da Roma.

“Não se esqueça, se você quiser mostrar solidariedade com seu grupo étnico, esses 90% (não trabalhar), porque … eles também estão influenciando seus filhos”, disse ele.

Não há estatísticas que apoiem a afirmação de Zeman. A ONG checa Romea chamou as declarações de Zeman de insultos. O Centro Europeu dos Direitos dos Ciganos, em Budapeste, rejeitou suas declarações como racistas.

PUBLICIDADE

Um relatório anual sobre os ciganos, aprovado pelo governo tcheco em agosto, diz que, até o final de 2017, havia cerca de 240 mil ciganos vivendo na República Tcheca, ou cerca de dois por cento da população. Metade dos 240.000 foram estimados como “socialmente excluídos”.

Esse termo refere-se a pessoas que vivem em lugares onde é difícil conseguir um emprego, que também são muitas vezes endividados.

O relatório também afirmava que a população cigana enfrenta fortes obstáculos na vida social, principalmente devido a preconceitos que muitas vezes impedem os seus membros de obter um emprego ou moradia adequada.

Um relatório separado mostrou que, no final de agosto, havia um total de 230 mil pessoas desempregadas no país, de 10,6 milhões, que gozam do menor nível de desemprego na UE, graças ao sólido crescimento econômico.

Zeman não é o primeiro oficial checo a atacar o recorde de trabalho dos ciganos. O primeiro-ministro Andrej Babis foi forçado a pedir desculpas pelas declarações que fez como ministro das Finanças em 2016 de que os ciganos tchecos foram enviados para um campo de concentração durante a Segunda Guerra Mundial porque se recusaram a trabalhar.

Com raízes ancestrais na Índia, os ciganos migraram para a Europa no século X e têm uma história marcada pela perseguição. Existem cerca de 11 milhões de ciganos a viver em todo o continente, particularmente na Roménia, Bulgária, Hungria e Espanha