Politica

Gabinete do presidente da África do Sul diz “não estar ciente” do pedido de Nene para ser demitido

0

Reprodução/REUTERS/Ruvan Boshoff/Pool

(Por REUTERS)

A porta-voz do presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, disse na segunda-feira que seu gabinete não estava ciente do pedido do ministro das Finanças Nhlanhla Nene para ser dispensado de suas funções depois que ele admitiu visitar os irmãos Gupta.

Reprodução/REUTERS/Ruvan Boshoff/Pool

O jornal caiu mais de um por cento quando o jornal “Business Day” informou que Nene pedira a Ramaphosa para removê-lo depois que o ministro da Fazenda admitiu visitar a casa dos Guptas, amigos do ex-líder do escândalo Jacob Zuma.

Nene tornou-se uma figura divisora ​​após o depoimento que ele deu na semana passada em um inquérito sobre alegações de corrupção pelos Guptas, em que ele admitiu para as visitas anteriormente não reveladas. Ele fez um pedido público de desculpas sobre o assunto na sexta-feira.

Zuma e os Guptas, que enfrentam inúmeras alegações de usar sua amizade para o enriquecimento mútuo, negaram consistentemente qualquer irregularidade.

O Business Day citou fontes governamentais não identificadas dizendo que Nene fez o pedido para Ramaphosa no final de semana.

Nene não respondeu aos pedidos de comentário.

“Não temos conhecimento da ministra Nene pedindo para ser dispensada de seus deveres. O que o presidente notou é o testemunho que ele apresentou à comissão do Zondo ”, disse Khusela Diko, porta-voz de Ramaphosa.

“Neste momento, o que estamos apelando é que a comissão tenha permissão para fazer seu trabalho e fazer descobertas, e com base nisso, o presidente verá que ação adicional é necessária”, disse ela.

A investigação pública chefiada pelo vice-presidente do Supremo Tribunal, Raymond Zondo, está analisando as alegações de que três irmãos Gupta – Atul, Ajay e Rajesh – indevidamente influenciaram Zuma sobre nomeações políticas e a concessão de contratos com o governo.

O inquérito foi elaborado sob a recomendação de um relatório de 2016, intitulado “State of Capture”, sobre o alegado tráfico de influências na administração de Zuma pelo Public Protector, a principal autoridade anticorrupção da África do Sul.

Os partidos de oposição pediram a renúncia de Nene.

Aliado-chave

Nene é um aliado fundamental de Ramaphosa, que o nomeou ministro das Finanças em uma reforma ministerial logo depois de se tornar presidente no início deste ano.

O compromisso declarado de Ramaphosa de impulsionar o crescimento e acabar com o enxerto caiu bem com os investidores estrangeiros e membros do ANC, que sentiram que a administração da Zuma na economia poderia prejudicar seriamente o partido nas eleições nacionais de 2019.

Perguntado sobre os relatórios que Nene pediu para ser dispensado de seu cargo, o Ministro de Empresas Públicas Pravin Gordhan disse: “Vamos esperar para ver o que acontece.”

Gordhan, ex-ministro das Finanças e aliado próximo de Ramaphosa, participa de uma conferência em Londres.

O porta-voz do Tesouro, Jabulani Sikhakhane, enviou a Reuters à presidência para comentar o assunto.

Nene disse que foi demitido por Zuma em dezembro de 2015 por bloquear acordos que teriam beneficiado os Guptas, particularmente um acordo de energia nuclear de US $ 100 bilhões com a Rússia que poderia ter prejudicado a economia mais desenvolvida da África.

Mas os adversários de Nene dizem que ele estava envolvido em acordos corruptos com os Guptas quando ele era vice-ministro das finanças e chefe do fundo de pensão do estado. Ele nega ter ajudado os Guptas.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Politica