Politica

Angela Merkel sai para polarizar Alemanha e Europa

0

(Por REUTERS)

Angela Merkel terminou o seu próprio mandato a tempo. A política que foi chanceler da Alemanha por 13 anos decidiu não se reeleger como presidente de seu partido, os democratas cristãos (CDU). Embora, no entanto, ela queira servir seu mandato como chanceler até 2021, seu país e o resto da Europa inevitavelmente começarão a olhar para o que poderia ser uma era mais polarizadora.

O anúncio da decisão de Merkel de desistir da presidência da CDU veio na segunda-feira, um dia depois de uma eleição regional no estado de Hesse, no oeste do país, ter apoiado a queda dos conservadores em 11 pontos percentuais. Isso também não era uma aberração. O partido irmão dos democratas-cristãos, a CSU, sofreu seu pior resultado na Bavária desde 1950. Alguns partidários tradicionais dos dois partidos ficaram furiosos com a decisão de Merkel em 2015 de dar as boas vindas a um milhão de requerentes de asilo muçulmanos. A necessidade de reconquistar esses eleitores pode tentar a próxima presidente da CDU a empurrar o partido para a direita.

Mas será difícil conciliar as exigências do parceiro da coalizão de Merkel, os social-democratas de esquerda (SPD), que também estão sendo punidos pelos eleitores. A participação do SPD no voto de Hesse caiu para cerca de um quinto, o pior resultado no estado desde 1946, e o partido está sob pressão para mostrar aos apoiadores que está obtendo resultados tangíveis permanecendo no governo. Se o CDU for para a direita, e o SPD puxar para o outro lado, a atual coalizão irá desmoronar, mais cedo ou mais tarde. Um governo minoritário ou uma aliança com os democratas liberais liberais, que se afastaram das negociações da coalizão no ano passado, poderiam estar na ordem do dia.

Haverá também consequências para o resto da Europa se a CDU listar à direita. Um coxo Merkel – ou seu sucessor – pode ser menos tolerante com países como a Itália, que desrespeitam as regras orçamentárias da União Europeia. Ainda mais se a CDU está tentando reconquistar seus apoiadores tradicionais, que tipicamente favorecem a disciplina fiscal. Merkel pode ser lembrada por sua capacidade de forjar consenso e agir pelo bem maior. Pressão política doméstica significa que seu sucessor dificilmente terá esse luxo.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Politica