Notícias

Estudante dos EUA barrada por Israel apela ao seu principal tribunal

0

Reprodução/REUTERS/Amir Cohen

(Por REUTERS)

Uma estudante norte-americana impedida de entrar em Israel por uma lei contra boicotistas pró-palestinos entrou com um recurso no domingo com sua principal corte, que suspendeu sua deportação até a discussão do caso.

Reprodução/REUTERS/Amir Cohen

Lara Alqasem, de 22 anos, viajou para Israel em 2 de outubro com um visto de estudo, mas foi impedida de entrar por autoridades de segurança que citaram seu papel como presidente de uma pequena seção local de Estudantes pela Justiça na Palestina na Universidade da Flórida.

Em detenção no aeroporto desde então, ela tem contestado a exclusão, com o apoio da Universidade Hebraica de Jerusalém, onde ela deveria começar um programa de mestrado de um ano no domingo.

Na sexta-feira, um Tribunal Distrital de Tel Aviv rejeitou o recurso de Alqasem para ser admitida. No domingo, seus advogados disseram que ela apresentou uma moção dupla à Suprema Corte de Israel para bloquear sua deportação e considerar um último recurso para a entrada.

“Uma suspensão foi emitida contra a deportação, e a moção de apelação será ouvida esta semana”, disse um porta-voz do tribunal.

Seu caso desencadeou um debate em Israel sobre se os valores democráticos foram comprometidos por uma lei de 2017 que proíbe a entrada de estrangeiros que apoiam publicamente boicotes anti-Israel, e se uma linha dura contra o estudante acabaria prejudicando a imagem do país.

As atividades de estudantes por justiça, segundo o governo, incluíam uma campanha para boicotar o hummus da Sabra, fabricado e vendido nos Estados Unidos por uma empresa em parte de propriedade de uma empresa em Israel.

Israel vê esses grupos e o movimento mais amplo de boicote, desinvestimento e sanções (BDS), não apenas como uma tentativa de isolá-lo sobre a ocupação do território que os palestinos buscam para um Estado, mas também para fazer campanha por sua destruição.

Alqasem, que é descendente de palestinos, interrompeu suas atividades no grupo de Estudantes pela Justiça meses antes de a lei antiboicote entrar em vigor, prometeu não participar de atividades de boicote enquanto estivesse em Israel e não planejava visitar a Cisjordânia, seus advogados disseram.

A Suprema Corte de Israel raramente concorda em ouvir recursos sobre questões administrativas julgadas por tribunais de primeira instância, disse Leora Bechor, advogada do Alqasem. “É preciso circunstâncias muito especiais”, disse ela à Reuters.

Beche disse que Alqasem poderia ter optado por voar de volta para os Estados Unidos, mas optou por permanecer na detenção do aeroporto, onde ela só tinha acesso intermitente à comunicação por telefone e havia sido negada a leitura e escrita de materiais.

“Se ela embarca em um avião, o caso perde sua urgência. Se uma pessoa não está fisicamente aqui, ela se torna mais abstrata ”, disse Bechor. “Da perspectiva dela, ela é uma jovem de 22 anos, ela não está recebendo assistência financeira e não pode pagar outro ingresso.”

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Notícias