Skip to content

Centenas de milhares tomam as ruas em Londres exigindo o uma segunda votação do Brexit

(Por REUTERS)

PUBLICIDADE

Centenas de milhares de partidários da União Européia marcharam em Londres no sábado na maior manifestação até agora para exigir que o governo britânico faça uma votação pública sobre os termos do Brexit.

Os manifestantes agitaram a bandeira azul e dourada da União Européia e seguraram cartazes “Bollocks to Brexit” sob um céu ensolarado para pedir outro referendo sobre o eventual acordo sobre como a Grã-Bretanha deixará o maior bloco comercial do mundo.

Reprodução/KFGO

A marcha vem depois de outra semana tumultuada para a primeira-ministra Theresa May, na qual ela não conseguiu chegar a um acordo de divórcio com os líderes da UE em Bruxelas e enfureceu os membros de seu próprio partido, fazendo novas concessões nas negociações.

Com pouco mais de cinco meses até a saída da Grã-Bretanha, não há clareza sobre como será o futuro acordo comercial com a UE, e alguns rebeldes do Partido Conservador de maio ameaçaram negociar um acordo se conseguir um.

James McGrory, um dos organizadores da marcha, disse que os eleitores devem ter a chance de mudar de idéia porque a decisão afetará suas vidas por gerações.

PUBLICIDADE

“As pessoas acham que as negociações do Brexit são uma bagunça total, não têm fé no governo para cumprir as promessas feitas, em parte porque não podem ser entregues”, disse ele.

Na passeata, os manifestantes carregaram cartazes dizendo “Brexit é furada”, “Hora de uma virada na UE” e “europeu e orgulhoso”.

Os organizadores disseram que cerca de 670 mil pessoas participaram da marcha, o que a tornaria a maior da Grã-Bretanha desde a manifestação contra a guerra do Iraque em 2003.

A campanha “Voto do Povo”, que inclui vários grupos pró-UE, disse que eles tinham delegados estacionados em intervalos regulares para estimar o tamanho da multidão. A polícia não forneceu uma estimativa independente dos números participantes.

Os manifestantes originalmente se reuniram perto de Hyde Park e depois passaram por Downing Street e terminaram fora do Parlamento, onde ouviram políticos de todos os principais partidos políticos.

Reversão do Brexit?

O referendo da Grã-Bretanha em 2016 viu 52% de votos a favor da saída da União Europeia. Mas os últimos dois anos foram politicamente carregados, uma vez que o governo tem lutado para chegar a um acordo e há temores de que a Grã-Bretanha possa deixar o bloco sem um acordo.

Algumas pesquisas de opinião mostraram uma ligeira mudança em favor da permanência na União Européia, mas ainda não houve uma mudança decisiva nas atitudes e muitos na Grã-Bretanha dizem que eles estão cada vez mais entediados com o Brexit.

O primeiro-ministro descartou repetidamente a realização de um segundo referendo. O porta-voz do Partido Trabalhista, Brexit, disse no mês passado que seu partido está aberto a um segundo referendo com a opção de permanecer no bloco em certas circunstâncias.

Em Belfast, na Irlanda do Norte, cerca de 2.000 pessoas se reuniram no sábado para se opor ao Brexit.

Brendan Heading, um trabalhador de TI de 39 anos, disse estar preocupado que a decisão de deixar a UE prejudique a economia e possa levar ao desmembramento do Reino Unido.

“Eu sinto que o Brexit ameaça a prosperidade e estabilidade”, disse ele. “As pessoas devem ter a oportunidade de votar em uma alternativa baseada no que sabemos agora”.

Os apoiadores do Brexit realizaram sua própria manifestação na cidade de Harrogate, no norte da Inglaterra.

Richard Tice, vice-presidente da Leave Means Leave e um dos palestrantes do evento, descreveu as pessoas em marcha em Londres como “perdedores” e disse que um segundo referendo provocaria uma crise constitucional.

“Tivemos uma votação, votamos para sair, a idéia de ter um segundo referendo seria extremamente prejudicial”, disse ele.

“As pessoas não precisam ter ilusões sobre como as pessoas se sentem em relação ao potencial significativo de uma traição total à democracia neste país”.