Skip to content
PUBLICIDADE

Caso Henry: Polícia já sabe como foram os últimos momentos de vida do garoto de 4 anos

PUBLICIDADE

A morte de Henry Borel, de 4 anos, continua envolta em muitos mistérios, a polícia ainda precisa encontrar algumas peças fundamentais para completar este enigmático quebra-cabeça. Morte acidental? Assassinato? Maus tratos? Espancamento? Afinal de contas o que levou o garotinho a morte.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro, continua investigando o caso que ganhou grande notoriedade nos últimos dias, segundo o depoimento de Monique Medeiros, mãe de Henry e do vereador Dr. Jairinho, padrasto do garotinho, a criança foi encontrada caída no chão inconsciente, na madrugada do último dia 8 de março.

Monique e Jairo deram a versão deles para a polícia de como teria sido os últimos momentos de vida de Henry no apartamento onde ele morava com a mãe e o vereador.

PUBLICIDADE

O garoto ficou fora de casa durante o fim de semana, ele estava na companhia de seu pai, Leniel Borel, que deixou Henry aos cuidados de Monique na noite de domingo (7), imagens das câmeras de segurança do local mostram que o menino chegou bem em casa.

Monique contou que ela e Jairinho estavam assistindo a TV na sala da residência enquanto Henry dormia no quarto do casal, porém, o menino teria acordado por três vezes, eles acreditaram que o som da TV estava incomodando a criança e foram assistir a série no quarto de hóspedes.

PUBLICIDADE

Ainda segundo Monique, a intenção do casal era de diminuir o barulho para que o menino pudesse dormir tranquilamente, Jairinho teria tomado um medicamento e dormido profundamente, ela também acabou pegando no sono.

A mãe de Henry contou que por volta das 3h30 da manhã, ela acordou com a TV ainda ligada, ao ajeitar o braço de Jairo ele teria acordado e seguido para o banheiro e Monique foi para o quarto, foi neste momento que ela se deparou com o filho caído do chão com as mãos e os pés gelados e com os olhos revirados no chão.

O casal levou Henry para o Hospital Barra D’Or, que fica a cerca de 10 minutos do apartamento, mas ele já deu entrada na unidade de saúde sem vida.

PUBLICIDADE