Skip to content

Arábia Saudita admite ‘erros’ da coalizão em atacar no Iêmen

(Por REUTERS)

PUBLICIDADE

A Arábia Saudita disse na segunda-feira que está trabalhando duro para corrigir alvos equivocados de sua coalizão militar no Iêmen que matou civis, incluindo crianças, mas especialistas em direitos humanos expressaram ceticismo.

A pressão internacional aumentou sobre o reino, incluindo os aliados, para limitar as baixas civis em uma guerra civil de três anos e meio que matou mais de 10 mil pessoas e levou o país já empobrecido à beira da fome.

A Arábia Saudita lidera uma coalizão de estados árabes que lutam contra o movimento houthi que controla a capital do Iêmen.

O Comitê dos Direitos da Criança da ONU examinou na segunda-feira o registro saudita sobre o cumprimento de um tratado de protocolo sobre crianças em conflitos armados, e repetidamente levantou a questão das crianças mortas por ataques da coalizão no Iêmen.

“Isso vem acontecendo há vários anos. Mas ainda não há informação de que qualquer perpetrador ou responsável por esse tipo de ação tenha sido processado, sancionado ou tratado de qualquer forma ”, disse o vice-presidente do comitê, Clarence Nelson.

PUBLICIDADE

Osaiker Alotaibi, do Ministério da Defesa da Arábia Saudita, disse ao painel de 18 especialistas independentes que a Aliança Saudita estava comprometida em defender o Direito Internacional Humanitário. A coalizão tinha uma lista de 64.000 alvos potenciais no Iêmen que estavam fora dos limites para atacar, incluindo escolas e hospitais.

Investigações de coalizões descobriram “a existência de certos erros não intencionais em várias dessas operações”, disse Alotaibi. “A força-tarefa recomendou que os perpetradores deveriam ser responsabilizados e que as vítimas deveriam receber reparação”.

Renate Winter, presidente do painel, perguntou por que escolas e hospitais haviam sido repetidamente atingidos: “Você diz que é um acidente. Quantos acidentes desse tipo você pode suportar e quantos acidentes podem levar pessoas no país (Iêmen)? ”

Winter então se referiu a um ataque aéreo em um ônibus escolar em agosto na província de Saada, no norte do Iêmen, que matou dezenas de pessoas.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita disse em 1o de setembro que aceitou que o ataque aéreo matou dezenas de pessoas, incluindo crianças em um ônibus, e que isso não foi justificado. Ele se comprometeu a responsabilizar quem contribuiu para o erro.

O comboio em Saada “transportou alguns militares houthis”, disse Bandar Alaiban, presidente da Comissão Saudita de Direitos Humanos que liderou uma delegação do governo. “No entanto, o ataque aéreo não foi conduzido de acordo com a regra de engajamento porque esse comboio não representava um risco para a coalizão”.

Ele culpou os Houthis por colocarem civis, incluindo crianças, em perigo, usando escolas e hospitais como “refúgios”.