Skip to content

Motivos para rever a série Lost? Existem de monte

A série Lost foi conhecida por ter um dos finais mais surpreendentes das produções televisivas: ainda hoje, há telespectadores que discutem o que de fato aconteceu quando o voo da Oceanic caiu e você encontra aqui motivos para rever tudo.

PUBLICIDADE

A trama absolutamente envolvente

Lost tem um dos enredos mais fascinantes de todas as séries norte-americanas por causa da quantidade imensa de reviravoltas que ele dá. Toda temporada aparece algo diferente na ilha (e até a existência de outras ilhas), deixando os telespectadores ansiosos por saber o que a Iniciativa Dharma esconde e o motivo pelo qual os passageiros estão presos naquele lugar.

Afinal, em determinado momento, começa a parecer que não se tratou exatamente de algo por acaso, como um acidente.

PUBLICIDADE

A evolução dos personagens

Na primeira temporada de Lost, muitas pessoas sabem apontar quais são os mocinhos e quais são as pessoas mais perigosas da ilha. No desenrolar do enredo, porém, começa a ficar claro que essas divisões não são tão simples: os personagens vão evoluindo e demonstrando alguns aspectos de personalidade que faz com que nem sempre eles sejam confiáveis.

PUBLICIDADE

Um dos principais exemplos é o personagem Jack Shepard, vivido por Matthew Fox: no começo, ele parece ser o líder responsável do grupo de sobreviventes. Nas temporadas finais, ele já aparenta ter outra personalidade.

Os flashbacks

A trama mostra sempre alguns acontecimentos do presente, na ilha, e do passado. É por isso que os telespectadores começam a conhecer um pouco mais do passado dos personagens, podendo compreender porque eles passaram a ter determinada personalidade.

Em certo moimento da série, começam a surgir até mesmo vislumbres do que aconteceria caso aquelas pessoas nunca tivessem parado naquela ilha. Como seria a vida delas? Elas se encontrariam mesmo assim?

É claro que, com tantas transições de tempo na contação da história, é importante não desgrudar os olhos da tela para não se confundir e, de vez em quando, não custa nada voltar um pouco.