Skip to content

Trump conta com apoio maciço de evangélicos nas eleições, aponta pesquisa

Em meio a uma aproximação das eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, uma pesquisa apontou que 82% dos cristãos evangélicos americanos brancos votariam em Donald Trump para a reeleição ou estariam a isso inclinados.

PUBLICIDADE

O resultado vem apesar de fortes preocupações acerca dos índices de aprovação de trabalho, bem como de sua forma de lidar com a pandemia de coronavírus.

Preocupações

A pesquisa, realizada entre eleitores registrados, demonstra uma aumento de mais de 70% no número de eleitores evangélicos brancos que afirmaram ter apoiado Trump depois das eleições presidenciais de 2016.

Embora o resultado se mostre sólido, o presidente Donald Trump sofre pressão e diversas críticas pela forma como tem conduzido o país em meio à pandemia, assim como suas omissão em políticas em relação à injustiça racial.

Com efeito, o clima se refletiu numa queda de 6% de apoio ao presidente entre evangélicos brancos nos últimos meses. Mesmo com a queda, o índice permanece alto em 72%.

PUBLICIDADE

Rival de Trump

 O candidato que vai disputar a presidência pelo Partido Democrata, rival de Trump é Joe Biden, que não tem tanto apoio em meio aos evangélicos. Cerca de 17% declararam intenção de voto no democrata e não em Trump.

É curioso notar que o número é 1% acima dos 16% de evangélicos brancos que votaram na democrata Hillary Clinton nas eleições de 2016.

As avaliações de Biden na comunidade evangélica branca não são das melhores, com 26% afirmando que Biden seria um presidente ruim e 49% declarando que ele seria um líder terrível.

Contudo, no setor dos evangélicos negros, a cifra se inverte em favor de Biden, com 88% se mostrando apoiadores do democrata e apenas 8% demonstrando intenção de votar em Trump.

Os dados da pesquisa indicaram que 54% dos eleitores protestantes negros acreditam que Biden seria um bom presidente. Já 8% afirmaram que ele seria um líder ruim.

Da análise desses resultados, é possível confirmar a tendência histórica de maior apoio da comunidade negra a candidatos do Partido Democrata, além de uma maior reprovação de Trump, no clima atual de protestos por igualdade racial.