Economia

Presidente do Banco Central da Argentina renuncia em meio aos diálogo com o FMI

0

(Por REUTERS) O governador do banco central da Argentina renunciou nesta terça-feira em meio às negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI), dando um golpe nos esforços do presidente Mauricio Macri para reforçar a confiança dos investidores e fazer o controle do peso.

A demissão surpresa de Luis Caputo depois de apenas três meses no cargo veio como uma greve nacional por parte dos sindicatos, chamada para protestar contra a manipulação da economia pela Macri, o trânsito público fechado e os portos em todo o país.

O ex-secretário de Política Econômica Guido Sandleris, doutor em economia pela Columbia University, foi nomeado substituto de Caputo.

Em meio ao nervosismo nos mercados emergentes nos últimos meses, a Argentina viu sua moeda peso perder mais de 50 por cento de seu valor até agora este ano no caldo de preocupações sobre a capacidade do governo de pagar suas dívidas externas.

Essa corrida pelo peso levou a Argentina a obter uma linha de crédito de US $ 50 bilhões do FMI em junho, negociações nas quais Sandleris estava envolvida.

Em um comunicado, Sandleris disse que o banco central sob sua liderança “trabalharia para recuperar a estabilidade e a previsibilidade dos preços”, e que seu objetivo principal seria reduzir a inflação.

O governo de Macri tem lutado para controlar a inflação que deve atingir os 40 por cento este ano, impulsionada pela queda de sua moeda. Os problemas econômicos do país foram exacerbados por uma seca severa neste ano que prejudicou o setor de exportação de grãos.

A Argentina está em negociações com o FMI para financiamentos adicionais, negociações que uma fonte do governo disse na segunda-feira, que devem ser concluídas nos próximos dias.

O FMI disse em um comunicado que está ansioso para trabalhar com Sandleris e está tentando concluir as negociações com a Argentina “em um curto espaço de tempo”.

Segunda Renúncia

Caputo, ex-ministro das Finanças cuja nomeação, há três meses, deveria restaurar a fé dos investidores na política monetária, é o segundo presidente do banco central argentino a renunciar este ano.

“Esta renúncia é devida a razões pessoais, com a convicção de que um novo acordo com o Fundo Monetário Internacional restabelecerá a confiança na situação fiscal, financeira, monetária e cambial”, disse o banco central em um comunicado.

O banco não deu mais detalhes, mas o ministro da Economia, Nicolas Dujovne – um aliado próximo de Sandleris – foi noticiado pela mídia argentina como estando em desacordo com Caputo nas últimas semanas.

Um aumento nas taxas de juros de referência do banco central para 60 por cento em agosto não conseguiu conter a queda do peso, e Macri disse na segunda-feira que as novas negociações do FMI estabeleceriam uma direção clara na política monetária. A mídia local também informou que o governo está considerando a introdução de uma banda de negociação para o peso.

“O momento não poderia ser pior para a Argentina”, disse Paul Greer, gerente de portfólio do Fidelity Emerging Market Debt Fund. “As negociações com o FMI sobre um programa ampliado e reformulado demoraram mais que o esperado, e a renúncia de Caputo apenas aumentará a incerteza dos investidores.”

O peso ARS = RASL O AR LIVRE: O RENDIMENTO DO ARCO Mas ele se recuperou depois que o banco central entrou no mercado de futuros de moedas, fechando 3 por cento em 38,50 por dólar, os traders disseram.

O índice de ações Merval .MERV subiu mais de 2%, liderado por ações de energia que custam suas vendas em dólares.

Falando de Nova Iorque, Dujovne deu seu apoio a Sandleris.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Economia