Economia

Petróleo tem queda em 2 dólares depois da Arábia Saudita acalmar os ânimos

0

O petróleo Brent de referência LCOc1 teve uma queda de US $ 2,03 por barril para uma redução de US $ 77,80, uma queda de 2,5% na baixa de um mês e abaixo de sua média móvel de 50 dias pela primeira vez em um período dois meses.

O CLc1 bruto dos EUA perdeu US $ 1,77 por barril, para US $ 67,59, antes de se recuperar para US $ 67,86, uma queda de US $ 1,50.

“O ministro da Energia da Arábia Saudita tem distribuído um monte de forragem pessimista para o complexo de energia”, disse o analista da PVM Oil, Stephen Brennock.

As sanções dos EUA ao petróleo iraniano começam em 4 de novembro e Washington disse que quer deter todas as exportações de combustível de Teerã, mas outros produtores de petróleo estão bombeando mais para preencher as lacunas de fornecimento.

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, disse em uma conferência em Riad na terça-feira que o mercado de petróleo está em um “bom lugar” e espera que os produtores assinem um acordo em dezembro para estender a cooperação para monitorar e estabilizar o mercado.

“Vamos decidir se haverá alguma interrupção na oferta, especialmente com as sanções do Irã”, disse Falih. “Então, continuaremos com a mentalidade que temos agora, que é atender a qualquer demanda que se materialize para garantir que os clientes estejam satisfeitos.”

Falih disse que não descarta a possibilidade de que a Arábia Saudita produza entre 1 e 2 milhões de barris por dia (bpd) a mais do que os níveis atuais no futuro.

O executivo-chefe da Saudi Aramco, Amin Nasser, disse que levaria o reino apenas três meses para atingir sua capacidade máxima de produção de 12 milhões de bpd, se necessário.

As declarações seguiram as preocupações de que a Arábia Saudita poderia cortar a oferta de petróleo em retaliação por possíveis sanções pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. Falih disse na segunda-feira que não havia intenção de fazer isso.

O analista de energia da Economist Intelligence Unit, Peter Kiernan, disse que a Arábia Saudita seria contraproducente para reduzir o fornecimento de petróleo, já que arriscaria perder mercado para outros exportadores, perdendo a reputação de um concorrente estável no mercado.

Apesar disso, Sukrit Vijayakar, diretor da consultoria de energia Trifecta, disse que os mercados estavam cautelosos com o impacto das sanções dos EUA ao setor de petróleo do Irã, estimando que as sanções poderiam impactar até 1,5 milhão de barris por dia de fornecimento.

As importações da Coréia do Sul do Irã caíram para zero em setembro, mostraram dados da estatal Korea National Oil Corp, na terça-feira.

A produção de petróleo bruto dos EUA subiu quase um terço desde meados de 2016.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Economia