Economia

As ações asiáticas oscilam com medo da longa guerra comercial EUA-China

0

Reprodução/BBC

(Por REUTERS – SIDNEY[AUS])

As ações asiáticas tropeçaram na segunda-feira em negociações durante o feriado, já que a decisão da China de cancelar as negociações com os Estados Unidos reforçou o temor de uma prolongada guerra comercial com nenhum dos lados dispostos a recuar.

Reprodução/BBC

Os preços do petróleo subiram depois que os principais produtores descartaram o aumento da produção de petróleo.

Os futuros de ações dos EUA foram um pouco mais fracos, enquanto o índice mais amplo do MSCI de ações da Ásia-Pacífico fora do Japão caiu 0,8%. Hong Kong foi o pior desempenho com o índice Hang Seng a cair 1,3 por cento.

A maior parte da ação limitada de segunda-feira foi em moedas, já que os mercados de ações nos principais centros asiáticos, Japão, China e Coréia do Sul, estavam fechados para um feriado. Mas com o comércio interno nos respectivos países fechado, mesmo a negociação forex era leve.

Os investidores concentraram-se diretamente na guerra comercial sino-americana quando a China acrescentou US $ 60 bilhões de produtos norte-americanos à sua lista de tarifas de importação, retaliando as tarifas norte-americanas de US $ 200 bilhões em bens chineses que entraram em vigor na segunda-feira.

A China também cancelou negociações de comércio de nível médio com os Estados Unidos, bem como uma proposta de visita a Washington pelo vice-primeiro-ministro Liu He originalmente prevista para esta semana, informou o Wall Street Journal.

Os Estados Unidos, enquanto isso, não têm data para mais conversas.

A crescente disputa entre as duas maiores economias do mundo tem assustado os mercados financeiros preocupados com as consequências do crescimento global.

O iene, que vê a entrada de fundos em épocas de crise, ficou acima de um mínimo de dois meses em 112,6 por dólar, enquanto o dólar australiano sensível ao comércio caiu de US $ 0,7268 para uma alta de três semanas e meia.

“Tanto os EUA quanto a China estão cavando, e cada vez mais o subtexto parece ser tanto sobre o avanço de uma ideologia comercial quanto sobre a rescisão de tarifas comerciais”, disse John Bilton, diretor de estratégia global de múltiplos ativos da JPMorgan Asset Management.

“Como resultado, tanto a extensão quanto a profundidade de qualquer impacto econômico estão sendo recalibrados”, disse Bilton.

“Assim, enquanto continuamos a ser construtivos na economia global nos próximos trimestres, é difícil ver o atual aumento na atividade dos EUA se transformando em outro período de crescimento global coordenado”.

Houve certo otimismo em geral sobre o crescimento chinês, à medida que as autoridades em Pequim intensificam o estímulo político para compensar o impacto econômico das tarifas.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse no final de semana que a China cortará os custos de importação e exportação para empresas estrangeiras, já que procura promover a imagem de estar aberto aos negócios.

A negociação da Grã-Bretanha com a União Européia será outra questão-chave para os investidores, com riscos de um “não acordo” ou “Brexit duro” disparando novamente.

Na sexta-feira, a primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que as negociações com a União Européia haviam chegado a um impasse depois que os líderes do bloco rejeitaram seu plano “Damas” sem explicar porquê.

A libra esterlina caiu até 1,4 por cento na sexta-feira, sua maior perda percentual de um dia desde junho de 2017. A última foi em US $ 1,3076, um pouco acima da alta de US $ 1,3053 de sexta-feira desde meados de setembro.

Danieli Mennitti
Possuo graduação e mestrado em História pela UNESP. Faço parte da equipe de redação do portal Resumo. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Interesso-me e escrevo sobre os mais variados assuntos.

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Economia